The last friends (Prisoner of love) -- e os relacionamentos

Acordei tão pensativa com o tema relacionamentos. Assunto esse que vem martelando meus pensamentos... bom, é certo que eles me martelam desde que me conheço por gente. E é interessante ver como tudo muda ao longo do tempo. Espero não ter ficado mais amarga, como é tão de praxe em ver em pessoas mais vividas...

Primeiro, vim ao meu próprio blogue. Cliquei aqui na label: relacionamentos. Inspirada em três pessoas próximas que no mesmo dia conseguiram me chamar de psicóloga, devo apenas dizer que me senti extremamente honrada com essa maldição. Porque não é fácil enxergar tudo com visão raio-x e conseguir (claro que nem sempre) sintetizar com a minúcia e precisão necessárias. Mas adoro precisão e minúcias! 

Queria comentar, primeiro, que finalmente (e demorou!) terminei de ver a série japonesa Last Friends. Onze episódios de 45 minutos que demoraram... mas terminaram. Nós, ocidentais e brasileiros, nem fazemos ideia de como japonês é um povo dramático! Toda vez que vejo algo de lá, penso no quanto eles são sensíveis.

A história fala sobre... relacionamentos. Nenhuma novidade maior nisso, exceto pelo fato que na série tem uma personagem transexual. E até rola beijinho! Coisa que na nossa moderna sociedade brasileira... talvez no próximo milênio. Tirando as coisas exageradas, os dramas exagerados, os temperos mais do que exagerados em tudo, é legal ver como uma sociedade mais comum (tirando os japas que adoram se vestir de personagem de desenho animado, os que pintam o cabelo de roxo) lida com dramas tão comuns quanto o de qualquer ser humano. E o final é surpreendente!

A música-tema da série é Prisoner of love de Utada Hikaru, já devidamente postada aqui, que dá nome a este post, e que serve de gancho para eu poder voltar a falar de relacionamentos. Definitivamente, eu nunca terei a receita certa, embora até tenha pensado que tinha chegado tão perto de achar o Santo Graal. Isso é o cúmulo que a minha pretensão poderia querer. Vamos viver mais antes, certo?

Acho que, para mim, a melhor lição que tiro este ano é: você realmente ainda tem que muito o que aprender.


3 comentários:

Sharlene disse...

Relacionamentos são complexos, mesmo porque nós somos complexos.
Apesar de existir fórmulas para conquistar uma pessoa, com certeza não existe nenhuma fórmula conhecida para manter o relacionamento.
Ainda existe muito o que aprender...

Crisão disse...

Woah... that's it!

Alice disse...

Em se tratando de relacionamentos, sempre temos muito o que aprender...